A Inteligência Artificial no escritório de advocacia


Postado em 2018-04-04 14:47:13



O uso da inteligência artificial no escritório de advocacia serve para automatizar tarefas, o que alavanca os negócios. Confira!

A revolução digital atingiu o mundo corporativo em cheio, e a advocacia não ficou fora disso. A cada dia, nos deparamos com inovações surpreendentes, que modificam a forma de operar o Direito. A inteligência artificial (IA) no escritório de advocacia é uma delas. Também chamada de computação cognitiva, a IA é a tecnologia em que máquinas tomam decisões baseadas em informações por ela processadas a partir de experiências anteriores, tal qual o cérebro humano.

Veja como ela tem sido utilizada, nos levando a repensar como atuar no Direito, seus benefícios e a relação entre ela e os advogados!

Automatização de tarefas

O uso da inteligência artificial no escritório de advocacia serve para automatizar tarefas, o que alavanca os negócios e aumenta a produtividade de todos os profissionais. A atividade cognitiva exercida por essa tecnologia se dá pelo aprendizado contínuo na coleta, processamento, pesquisa e análise de dados. O resultado dessa função é realizar tarefas a partir das informações obtidas nesse processo.

A IA pode, portanto, servir como um assistente virtual dos advogados e demais profissionais, automatizando tarefas que, há poucos anos, eram exercidas por eles. Pesquisa, revisão de contratos e previsão de resultados são só algumas delas.

Pesquisa

A inteligência artificial é capaz de analisar documentos de diversas fontes, como artigos, doutrina, jurisprudência e legislação. Apesar do alto volume de informações que essas fontes contêm, a tecnologia realiza essa tarefa em poucos segundos. Ela cumpre uma função que um profissional só conseguiria realizar em bastante tempo.

Aliás, o volume desses dados é tão grande que sua pesquisa tradicional, realizada por um advogado, não seria eficiente e produtiva. A pesquisa jurídica toma cerca de 20% do tempo de um advogado. Com a inteligência artificial, esse tempo poderia ser destinado a outras atividades em que o profissional se faz essencial.

E uma outra perspectiva sobre o tempo gasto com pesquisa jurídica. Ela ocasiona uma elevação nos valores dos honorários advocatícios. Consequentemente, a advocacia se tornar um serviço restrito à parte da sociedade que consegue arcar com seus custos. Ou seja, o advento da inteligência artificial ainda contribui para reduzir tais valores e democratizar o acesso à Justiça.

Revisão de contratos

Essa nova tecnologia também se tornou importante mecanismo de revisão de contratos. Uma plataforma criada por um advogado comercial em 2004, a LawGeex, permite que seus clientes, em sua maioria departamentos jurídicos empresariais, recebam um relatório detalhado sobre o contrato enviado que indica cláusulas omissas ou que exigem revisão.

Se essa tarefa fosse exercida por um advogado, ele demoraria cerca de 5 horas para revisar o contrato, ao passo que a plataforma leva apenas 1 hora. Além da economia de tempo, há uma economia de custos considerável.

Previsão de resultados

Outra aplicação da inteligência artificial no escritório de advocacia é a previsão de resultados. O advogado precisa realizar uma análise rápida e eficiente de documentos para tomar a melhor decisão para seu cliente. Imagine analisar todo o conteúdo em um escritório focado em contencioso de massa para tentar prever como o tribunal decidirá sobre o assunto?

A análise de probabilidades e a comparação de ações similares, bem como as tendências da jurisprudência são fundamentais para o sucesso de uma ação. Por este motivo, é preciso ter auxílio de uma tecnologia capaz de otimizar esse trabalho por meio da automação.

Atualmente, existem plataformas que dão esse suporte aos escritórios e departamentos jurídicos. A inteligência artificial é capaz de extrair dados do big data jurídico, identificar novos casos e elaborar estatísticas. Ao analisá-los, o advogado consegue perceber se o recurso será mais vantajoso do que um acordo, por exemplo. Ou se o juiz tende a acatar um ou outro pedido com mais frequência.

De forma técnica, a inteligência artificial neste caso atua na relação entre modelos preditivos e jurimetria. Enquanto os modelos usam dados e algoritmos para prever situações futuras, a jurimetria aplica a Estatística para compreender processos e fatos jurídicos.

Ou seja, a análise detalhada possibilita identificar tendências, comportamentos e reais necessidades dos clientes. Certamente, é uma decisão mais fundamentada, o que melhora o desempenho dos negócios.

A relação entre inteligência artificial e advogados

No primeiro momento, a inteligência artificial no escritório de advocacia pode causar certo temor nos advogados. Se existe uma tecnologia que substitui os profissionais em diversas tarefas, o que sobra para elas? Essa ideia de competir com a IA não deve subsistir, especialmente porque ela, ao contrário, força o advogado a ser melhor naquilo que não pode ser substituído. A ideia central, então, é somar para ter mais força e mais resultados positivos e justos.

A consultoria McKinsey, ao analisar o cenário norte-americano, estimou que 22% dos trabalhos de advogados podem ser executados de forma automatizada. Apesar de ser um sistema jurídico bem diverso, podemos imaginar que esses números não devem ser tão diferentes no Brasil.

Isso significa, em outras palavras, que os advogados podem tornar seus serviços mais eficientes ao automatizar 22% de suas tarefas. Ou, olhando pelo outro lado, pode focar na qualidade e na técnica de 78% de sua demanda, já que não precisará dispor de tempo para aquelas exercidas pela inteligência artificial.

Se a IA consegue revisar um contrato padrão em 1 hora, as outras 4 horas que seriam gastas pelo advogado para a mesma tarefa poderão se destinar a apenas chancelá-lo ou para elaborar um contrato cheio de minúcias e particularidades para determinado cliente.

 

A utilização da inteligência artificial no escritório de advocacia deve ser vista com bons olhos pelos profissionais de Direito. Essa tecnologia vem para somar no trabalho e no desempenhos dos negócios, conferindo agilidade, transparência, eficiência em pesquisa, assertividade, definição de estratégia, organização e produtividade à equipe.

Aqueles que souberem dominar essa tecnologia certamente sairão na frente de seus concorrentes, uma vez que a economia de custos e de tempo é fundamental para ter vantagem competitiva.